↑ Voltar a Sobre

Validação científica

protocolo-RPA-VALIDAÇÃO CIENTÍFICA

O projeto “validação científica do protocolo Reabilitação Perineal Ativa” foi apresentado para o departamento de ginecologia da Unifesp e para os departamentos de ginecologia e urologia do Hospital Santa Marcelina. Este projeto acontecerá em parceria nestas duas instituições.

A utilização de protocolos na área da saúde é de estrema importância para a padronização dos tratamentos e para que a comunicação entre os profissionais que formam a equipe multidisciplinar que atende o paciente seja mais eficiente.

O protocolo “Reabilitação Perineal Ativa” respeita as 3 fases da reabilitação: ensino, agilidade e fortalecimento. Ele é constituído por um total de 14 sessões que evoluem gradualmente a intensidade dos exercícios, e tem uma duração de 12 semanas. Nele são utilizadas mais de uma técnica de tratamento: cinesioterapia com biofeedback, eletroestimulação, exercícios em casa e cones vaginais, sendo assim um meio de tratamento mais adequado para a reabilitação muscular.

O tratamento com o protocolo RPA é feito em sessões individuais, com sonda intravaginal, utilizando um aparelho de electroestimulação e biofeedback. Todas as 14 sessões do protocolo estão programadas no aparelho, o que garante uma mensuração objetiva. Isso nos permite avaliar o desempenho da paciente durante a sessão e controlar a fadiga muscular. Também nos permite avaliar a evolução de sessão a sessão.

O fato de ser utilizado um aparelho para a realização do biofeedback faz com que o protocolo seja individualizado sempre a paciente estará trabalhando dentro da sua força máxima. Isso faz com que durante todo o tratamento as sessões sejam desafiadoras para a paciente, respeitando a evolução da sua melhora e seus limites. O biofeedback também é feito com ilustrações gráficas no computador, o que facilita a execução dos exercícios e torna a sessão mais lúdica.

Além do tratamento individual com o fisioterapeuta a paciente é orientada e fazer exercícios em casa e a utilizar o cone vaginal, sempre com a supervisão e o acompanhamento do fisioterapeuta.

Este protocolo já vem sendo utilizado pela autora em sua prática clínica desde 2011, o sucesso dos tratamentos realizados lhe confere uma validação clínica. Mas acreditamos que para o sucesso e reconhecimento dos tratamentos de fisioterapia seja indispensável a sua validação científica.